domenica 1 aprile 2018

Fernando Pessoa. Vivere i contrari senza accettarli



Dobbiamo vivere intimamente ciò che ripudiamo. Non costa niente, a chi non è capace di sentire il Cristianesimo, il ripudiarlo; quello che costa è, come in tutto, ripudiarlo dopo averlo sentito davvero, dopo averlo vissuto, dopo esserlo stato. Quello che costa è ripudiarlo, o saperlo ripudiare, non come forma di menzogna, ma come forma di verità. Riconoscere la verità come verità, e al tempo stesso come errore; vivere i contrari senza accettarli; sentire tutto in tutte le maniere, e non essere nient’altro, alla fine, se non la comprensione di tutto – quando l’uomo si innalza a questa vetta, è libero, come su ogni vetta, è solo, come su ogni vetta, è unito al cielo, cui mai è unito, come su ogni vetta. 


FERNANDO PESSOA (1888 – 1935), Pagine esoteriche, a cura, traduzione e nota introduttiva di Silvano Peloso, Adelphi, Milano 1997 (I edizione), II. Frammenti di filosofia ermetica: la via iniziatica, La via del Serpente, p. 85.



Temos que viver intimamente aquilo que repudiamos. Nada custa a quem não é capaz de sentir o Cristianismo o repudiar o Cristianismo; o que custa é repudiá-lo, como a tudo, depois de verdadeiramente o sentir, o viver, o ser. O que custa é repudiá-lo, ou saber repudiá-lo, não como forma da mentira, senão como forma da verdade. Reconhecer a verdade como verdade, e ao mesmo tempo como erro; viver os contrários, não os aceitando ; sentir tudo de todas as maneiras, e não ser nada, no fim, senão o entendimento de tudo - quando o homem se ergue a este píncaro, está livre, como em todos os píncaros, está só, como em todos os píncaros, está unido ao céu, a que nunca está unido, como em todos os píncaros. 


YVETTE K. CENTENO, Fernando Pessoa e a Filosofia Hermética. Fragmentos do Espólio, Editorial Presença, Lisboa 1985 (primeira edição) , 1. O Caminho da Serpente, p. 33.


Nessun commento:

Posta un commento